Todos os réus da morte de jovem foram condenados

0
199

Depois de mais de 12 horas de julgamento no Fórum de Maringá, a Juíza Daniela Palazzo Chede Bedin, leu a sentença dos três acusados de participação na morte da jovem Natália Jeane Germano, de 19 anos, que foi morta com um tiro no rosto em março de 2015.

juri

Na época dos fatos, um grupo de jovens estava em uma casa na avenida Tuiuti onde começaram a brincar de roleta russa com um revólver calibre 357. Uma das meninas que estava acompanhada de Natália foi a primeira a participar, na sequência Natália  não teve a mesma sorte, o tiro atingiu o seu rosto tendo morte na hora.
Vitor Hugo de Lima Bueno, que tinha 20 anos de idade na época, foi quem atirou em Natália. Depois de terem matado a jovem, os rapazes que estavam na casa de Jhon Weberton Alves da Costa, 18 anos, dono da arma de fogo, colocaram o corpo de Natália em um saco plástico, amarraram e colocaram em um veículo VW Saveiro.
Jonathan Natanael Francisco da Silva, 23 anos, ajudou a carregar o corpo. Vitor Hugo, Jonathan e Jhon deslocaram com o veículo até uma estrada rural no final da avenida Kakogawa e esconderam o corpo em meio a um matagal. Outro que participou na ocultação do cadáver foi Van Hallen Dias da Silveira, 19 anos, que está foragido devido um mandado de prisão. Van Hallen não participou do julgamento, mas no dia ele estava na casa com os demais jovens.
Após a Polícia Militar ter localizado o corpo de Natália, policiais da Delegacia de Homicídios com apoio da Denarc de Maringá prenderam os suspeitos em um bar na avenida Brasil, Vila Operária. Os rapazes foram levados para a delegacia e negaram na época participação no crime. Houve uma investigação e a conclusão do inquérito policial montado pelo delegado Diego Almeida, comprovando que Vitor Hugo tinha disparado a arma, e que Van Hallen, Jhon e Jonathan haviam carregado e ocultado o corpo.
Durante o julgamento, os advogados Rafael Benassi, que defendia Vitor Hugo, conseguiu demonstrar para o corpo de jurados que Vitor não tinha a intenção de atirar em Natália. O corpo de jurados formado por sete mulheres votou a favor da condenação de Vitor Hugo de Lima, no qual foi sentenciado em 4 anos e 10 meses em regime semi-aberto por homicídio simples. O advogado Rafael Benassi conseguiu tirar a qualificadora de motivo fútil que daria de 12 à 30 anos de reclusão para homicídio simples. Vitor que está atualmente recolhido na Casa de Custódia desde da morte da vítima, poderá nos próximos dias ser colocado em liberdade e cumprir a pena em sua casa segundo confirmou o advogado de defesa, por ter já cumprido 2 anos de prisão. Jonathan Natanael e Jhon Weberton foram condenados em 1 ano e 1 mês em regime semi-aberto pela ocultação de cadáver. Os advogados Rogério Leandro Rodrigues e Thaisa Monari Claro de Matos, que defenderam Jonathan e Jhon, saíram satisfeitos com a decisão do Júri.
Quem não ficou satisfeita com o resultado do julgamento foi a família de Natália Germano. A mãe da jovem ficou inconformada e saiu do Fórum em lágrimas.

(inf/foto site Andre Almenara)