Presidente da Embratur pede demissão, diz estatal; Bolsonaro afirma ter mandado demitir

Ex-deputada Teté Bezerra assumiu autarquia em maio de 2018, no governo Temer. Órgão é vinculado ao Ministério do Turismo. Bolsonaro diz que jantar de R$ 290 mil motivou demissão. Teté Bezerra, agora ex-presidente da Embratur
Billy Boss/Câmara dos Deputados
A assessoria do Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur) e o Ministério do Turismo informaram na tarde desta quinta-feira (28) que a presidente do órgão , Teté Bezerra, pediu demissão ao ministro Marcelo Álvaro Antônio. À noite, em transmissão ao vivo por uma rede social, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que foi ele quem mandou demitir.
De acordo com a empresa e com o ministério, o ministro Marcelo Álvaro Antonio aceitou o pedido de demissão. As assessorias da estatal e do ministério não informaram o motivo da decisão de Teté Bezerra.
Na noite desta quinta-feira, durante “live” em uma rede social, o presidente Jair Bolsonaro disse que mandou demitir a presidente da empresa em razão de um jantar que aconteceria na semana que vem ao custo, segundo ele, de R$ 290 mil.
“Chegou ao meu conhecimento que na semana que vem – olha só você, brasileiro – a Embratur, a sua presidente, está patrocinando um jantar. Então, a Embratur patrocinando um jantar. Eu acho que o Alceu Valença, se não me engano, ia cantar no jantar, certo? Preço do jantar: R$ 290 mil. Você ia pagar a conta”, disse o presidente.
“O que nós fizemos, no dia de ontem mesmo? Entramos em contato com o ministro do Turismo, falei para ele simplesmente cancelar o jantar e também, tendo em vista o tamanho do descalabro aqui, que cancelasse também a função ali da responsável pela Embratur. Então, ela foi exonerada no dia de hoje e também página virada”, acrescentou o presidente.
Na avaliação de Bolsonaro, não se pode “admitir passivamente” o preço estimado para o jantar. “Isso é um escracho, um deboche para com o brasileiro que está cansado de pagar imposto, está cansado de quase que ser extorquido e não ter na ponta da linha uma prestação de serviço”, concluiu.
Ex-presidente
Filiada ao MDB, Teté assumiu a presidência da Embratur em maio de 2018, ainda no governo Michel Temer. Ela substituiu Vinicius Lummertz, que deixou a Embratur na ocasião para assumir o Ministério do Turismo.
A Embratur é uma autarquia especial vinculada ao ministério e responde, conforme o site oficial do órgão: pela execução da Política Nacional de Turismo em ações sobre promoção, marketing e apoio à comercialização de “destinos, serviços e produtos turísticos brasileiros no mercado internacional”.
Antes de comandar a autarquia, Teté foi secretária nacional de Qualificação e Promoção do Turismo do Ministério do Turismo.
Teté fez carreira política no Mato Grosso, onde foi eleita deputada federal e estadual e comandou a secretaria de Turismo do estado.
Íntegra da nota do ministério
Leia abaixo a íntegra da nota do Ministério do Turismo sobre a saída de Teté Bezerra:
NOTA
O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, aceitou o pedido de exoneração encaminhado pela presidente do Instituto Brasileiro de Turismo – Embratur, Aparecida Maria Borges Bezerra, nesta quinta-feira (28). Ele agradece os trabalhos prestados e deseja sucesso nas próximas missões.
O próximo presidente da autarquia, encarregada por promover o Brasil internacionalmente, será um nome alinhado com a gestão do presidente Jair Bolsonaro, que preza pela austeridade, economicidade e eficiência.