União: Maringá oferece apoio político, técnico e jurídico para solucionar fechamento dos cruzamentos na BR 376

O prefeito de Maringá, Ulisses Maia, recebeu na tarde desta sexta, 30, nove vereadores, secretários, diretores e comunidade do município de Sarandi, para solucionar o fechamento dos cruzamentos da BR 376, que facilitam o acesso à cidade e a transposição interbairros pela rodovia.
“Podem contar com o apoio do município de Maringá para discussões e decisões importantes para solucionar esse problema em Sarandi. Nossa equipe técnica está a disposição para propor uma ação coletiva entre os municípios e, a princípio tomarei providência em falar com o governador eleito do Paraná, Ratinho Júnior, para possíveis ações′, disse Ulisses Maia manifestando seu apoio as autoridades.

Representando o prefeito de Sarandi, Walter Volpato, o presidente da Câmara Municipal de Sarandi, Carlos Roberto Falascshi, ressaltou sobre o desgaste e falta de atenção das gestões do governo do Estado sobre o município. “Não aguentamos mais. A situação está um caos e estamos aqui para pedir ajuda de Maringá. O problema já existe há muito tempo e ninguém se propõe a resolver, estamos cansados”, afirmou.
Após reivindicações, o prefeito de Maringá, Ulisses Maia, propôs dois encaminhamentos: articulação política com o governo do Estado do Paraná, e na segunda, 3, haverá reunião com os secretários de Mobilidade Urbana, Obras Públicas e outras autoridades, para articulação técnica e política sobre as vias.

Os dois cruzamentos da BR 376 (rua Rio de Janeiro com a rua Inglaterra), na área urbana de sarandi, foram definitivamente fechados no último domingo, 25, após decisão do Ministério Público Federal (MPF), por questão de segurança, devido ao número de acidentes no trecho, segundo o Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR).
Também estiveram presentes o vereador de Maringá, Carlos Mariucci, o vice-prefeito, Edson Scabora, e os secretários municipais, Gilberto Purpur (Mobilidade Urbana), Marcos Zucoloto (de Obras Públicas), Vitor José Borghi (procurador) e Antônio dos Anjos Padilha (Segurança Pública).