Pavimentação do “satanás” gera reclamações

A aplicação de microrrevestimento asfásltico em algumas ruas de Mandaguaçu gerou um converseiro danado nas redes sociais.


Usado para a reabilitação do asfalto que passou por algum dano, trata-se de um revestimento betuminoso a frio, diferente do tradicional, tipo CBUQ (concreto betuminoso usinado a quente) ou CAUQ (concreto asfáltico usinado a quente). Ruas do Jardim São Rafael receberam a pavimentação e as reclamações começaram, encampadas até por vereadores, que cobram fiscalização da prefeitura.
O secretário de Meio Ambiente, Elton Mendes Silva, disse que o Consórcio Público Intermunicipal de Inovação e Desenvolvimento do Estado do Paraná (Cindepar), com sede em Astorga, vai fazer as correções nos locais que ficaram sem o revestimento e com imperfeições, mas que nada muda em relação à espessura, já que o microrrevestimento é feito desta forma, após tapar o buraco do asfalto.
Para os saudosistas do CBUQ, com 3,5 cm de espessura, o secretário lembra o preço; R$ 35,00 o metro quadrado, que pode ser cobrado no IPTU.
Já quem não gostou do serviço, compara o ocorrido a uma verdadeira diarreia. “Parece que o satanás cagou no caminhão de massa asfáltica e derramaram lá em Mandaguaçu”, resumiu leitor. (inf Angelo Rigon)