Padre de Maringá é acusado de favorecimento à prostituição

959

Um padre residente no município de Maringá  foi acusado de favorecimento à prostituição em Rosana, estado de São Paulo.
O inquérito, que também pede aplicação de medida cautelar para que o religioso não se aproxime da vítima, foi instaurado pelo Ministério Público Estadual (MPE).
A denúncia já foi recebida pela comarca de Rosana e as investigações apontam o possível envolvimento do padre em outras questões. Ele deverá apresentar sua defesa à Justiça dentro de 10 dias. A reportagem não conseguiu contato com o Padre para esclarecimentos.
Consta no incluso inquérito policial que no dia 12 de setembro de 2016, na parte da manhã, na rua Maria Francisca Pereira, região central de Rosana, o Padre Jair Aparecido Favoretto, pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus em Maringá, induziu à prostituição um jovem de 18 anos.
Conforme apurado, o denunciado, que é Padre, possui um rancho de terras em Rosana, frequentando-o nos feriados e em alguns finais de semana.
No dia dos fatos, o denunciado, que embora seja Padre, tem um comportamento muito extrovertido, ofereceu R$ 20 ao jovem para que ele o masturbasse.
O induzimento a prostituição foi confirmado por algumas pessoas próximas à vítima, fato que não deixa dúvidas sobre a prática do crime.
O Jornal da Nova teve acesso ao documento assinado pelo juiz local. O judiciário recebeu a denúncia, mas considerou desnecessária a aplicação de medida cautelar. “Isto porque não vislumbro demonstrado nos autos, qualquer elemento de convicção que presuma que o denunciado possa querer se aproximar da pretensa vítima e seus familiares para propor acordo ou ameaçá-las com o fito de prejudicar a instrução processual. Ademais, se assim agir, eventualmente, poderá vir a cometer algum delito”, explica o magistrado.
Ademais, como está nos autos, a pretensa vítima e sua genitora é que ia até a casa do denunciado, e não o contrário. Aliado a isso, de se verificar que o denunciado reside na cidade de Maringá (PR), e só vem até Rosana em momentos de férias, demonstrando que raramente estará na mesma cidade que a pretensa vítima”, completa o juiz.
Apesar de indeferido o pedido de aplicação da medida cautelar, a denúncia por favorecimento à prostituição ainda será julgada pela Justiça após a defesa do acusado, “ressaltando-se que, caso venha aos autos novos elementos de prova que demonstre comportamento do denunciado no sentido de que possa tentar intimidade ou coagir a vítima ou testemunhas, tal medida pode ser aplicada, sem prejuízo de outras que se fizerem necessárias”.
O padre Jair há cinco anos envolveu-se em episódio com uma catequista, que chegou a ingressar com uma ação de denúncia por corrupção. A ação foi arquivada após a retratação do Padre junto à denunciante.