Mensagens de morte do jogo Baleia Azul chegam a Maringá

852

baleia azul

Gabriela Tortorelli Fontana (foto), arquiteta, moradora em Maringá, nunca teve nenhum problema com a justiça, mas teve que procurar hoje o plantão da Polícia Civil para registrar um boletim de ocorrência.
Estão usando o nome dela nas redes sociais dizendo que está participando do jogo “Baleia Azul”, e que Gabriela estaria distribuindo balas envenenadas para alunos de colégios de Maringá que aparecem em mensagens.
Gabriela recebeu um telefonema de sua irmã dizendo que seu nome estaria sendo usado para causar pânico nos pais e ao mesmo tempo pedindo para que as crianças e adolescentes aceitassem as balas. Gabriela pediu orientação aos pais e procurou a polícia. O que chama a atenção também que ao chegar no plantão da delegacia, um homem que transporta crianças para os colégios estava já registrando um B.O. contra ela.
Por coincidência, os dois se conheceram e puderam explicar o que está ocorrendo. Gabriela após registrar o boletim de ocorrência procurou a imprensa para deixar claro que não tem nada a ver com as mensagens. (inf André Almenara)

Salvar