Jogos Universitários terminam e deixam legado de sucesso

“Essa edição entra para a história como uma das mais bem organizadas e avaliadas pelas federações dos 27 Estados”, resumiu o presidente da Federação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU), Luciano Cabral, referindo-se a fase final dos Jogos Universitários Brasileiros (Jub´s), encerrado sábado, 11, em Maringá. Cerca de 4 mil pessoas, entre atletas, dirigentes, equipes de apoio e voluntários participaram da competição. Atletas maringaenses conquistaram 54 medalhas. Estima-se que os jogos movimentaram R$ 12 milhões na economia local.

O prefeito de Maringá, Ulisses Maia, reafirma que a estrutura esportiva da cidade está apta a abrigar grandes eventos. “Importante destacar que dispomos de suporte para eventos mais robustos, como foram os Jogos Universitário, ou seja, temos uma rede hoteleira de qualidade e outros requisito que reforçam nossa condição para manter uma agenda de eventos de alto nível”, disse Ulisses Maia. O secretário de Esportes, Valmir Fassina, resume o evento: “foi um absoluto sucesso”.

As competições foram realizadas na Vila Olímpica e mais uma dezena de praças esportivas preparadas para os jogos. “Maringá tem uma estrutura esportiva superior à existente em muitas capitais brasileiras, um traçado urbano que facilitou o translado dos atletas e, acima de tudo, equipes dos setores público e privado que se empenham em fazer o melhor todo o tempo”, acrescentou Luciano Cabral. O entusiasmo se justifica: os jogos alcançaram 42 milhões de potenciais espectadores por meio das mídias sociais e imprensa tradicional.

Além do legado esportivo, os Jub’s deixaram representação física na cidade. Um exemplar do mascote da competição, o “Jubinho”, uma camiseta oficial da organização e outros brindes foram catalogados e estão em exposição no Museu Esportivo de Maringá. O jornalista Antônio Roberto de Paula, responsável pelo espaço e pela conservação do acervo, visitou o Boulevard dos Atletas, que funcionou no Parque Internacional de Exposições Francisco Feio Ribeiro, e levou pessoalmente as lembranças para o museu.

Ao todo, 15 modalidades foram disputadas nos JUBs, em Maringá. Atletismo, atletismo paradesportivo, basquete, ciclismo, futsal, handebol, judô, natação, natação paradesportiva, vôlei e vôlei de praia, além dos jogos eletrônicos FIFA 2018, League of Legends e do JUBs acadêmico. A 66ª edição teve a inclusão do skate como modalidade, uma vez que o esporte entrou no programa olímpico e será disputado em Tóquio, em 2020. Segundo a Federação Paranaense de Desportos Universitários (FPDU), 137 dos 189 atletas que representaram o Estado são de Maringá.

O Paraná garantiu 86 medalhas nas disputas, sendo 31 de ouro, 38 de prata e 17 de bronze. A cidade anfitriã foi a que mais acumulou vitórias: 54 medalhas totais, sendo 21 de ouro, 23 de prata e outras 10 de bronze.

Por modalidade, Maringá obteve: acadêmico (2 ouros – individual e instituição); atletismo (3 ouros, 1 prata, 2 bronzes); ciclismo (8 ouros, 8 pratas); judô (4 ouros, 5 pratas, 5 bronzes); natação (1 prata); natação paradesportiva (4 ouros, 6 pratas, 3 bronzes); vôlei de praia (1 prata – masculino); e, ainda, handebol (01 prata – masculino).

Destaque para o ciclismo, modalidade que retornou ao quadro dos JUBs, e na qual o Paraná teve grande destaque, dominando todas as provas com a conquista de oito medalhas de ouro e oito de prata – e, consequentemente, a nona dourada na classificação por federações universitárias.

Maringá e o Paraná nos jogos
PARANÁ
86 medalhas, sendo 31 de ouro, 38 de prata e 17 de bronze

MARINGÁ
54 medalhas, sendo 21 de ouro, 23 de prata e 10 de bronze
Acadêmico: 2 ouros (individual e instituição)
Atletismo: 3 ouros, 01 prata, 2 bronzes
Ciclismo: 8 ouros, 08 pratas
Judô: 4 ouros, 5 pratas, 5 bronzes
Natação: 01 prata
Natação paradesportiva: 4 ouros, 6 pratas, 3 bronzes
Vôlei de praia: 1 prata (masculino)
Handebol: 1 prata (masculino)