Inocente fica preso quase dois meses na cadeia de Sarandi

Os advogados, Emerson Farias e Elizandra Panoso, conseguiram no final da tarde desta quarta-feira (1) colocar um homem em liberdade que estava preso há quase 50 dias.  Luiz da Silva Lemos, 41 anos, foi investigado pela Polícia Civil de Sarandi como sendo suspeito de ter estuprado e matado Isabel dos Santos, de 51 anos.
O crime ocorreu no dia 9 de setembro na casa da vítima no Jardim Ouro Verde. Logo após o assassinato de Isabel, Luiz da Silva deixou a cidade e foi para Osasco, São Paulo.
A saída de Luiz chamou a atenção de alguns familiares da vítima, amigos e da própria polícia. O setor de inteligência da PC de Sarandi investigou e conseguiu levantar que o principal suspeito na época seria Luiz, por ser próximo da família,  padrinho de casamento e frequentar a mesma igreja de Isabel.


A Justiça então expediu um mandado de prisão temporária por 30 dias para que a polícia pudesse ajudar a esclarecer a investigação. Quando venceu o mandado, a PC  pediu para prorrogar por mais 30 dias, que foi aceito pela Justiça. Luiz  foi ouvido em depoimento e negou qualquer participação na morte da mulher.
Na época, Luiz aceitou ter coletado seu sangue para um confronto genético com material colhido de Isabel. O exame foi encaminhado para o Instituto de Criminalística de Curitiba e até agora o resultado não ficou pronto. A demora do resultado do exame prejudicou a polícia.
O delegado Adão Rodrigues pediu para que sua equipe  fosse  investigar outras pessoas próximas de Isabel.  Francisco  Wellington Pereira da Silva, de 28 anos, que está preso em Ponta Grossa desde o início do mês de outubro era a segunda  pessoa suspeita. Francisco que é morador de Sarandi confessou em seu depoimento na última terça-feira (31) que matou Isabel.
No interrogatório, o suspeito contou com detalhes da forma que tirou a vida da mulher. Francisco disse aos policiais que manteve um relacionamento amoroso com a vítima por um determinado tempo, mas que no dia do crime chegou na casa de Isabel sob efeito de álcool e drogas.
Com a confissão de Francisco, o advogado criminal Emerson Farias ingressou com pedido à Justiça da revogação de prisão de Luiz. A Juíza Elaine Cristina Siroti, da 2ª Vara Criminal do Fórum de Sarandi, expediu alvará de soltura.
O delegado de Sarandi aguarda o exame de Luiz e de Francisco para um confronto genético. Luiz da Silva Lemos deixou a cela no final da tarde desta quarta-feira onde foi recebido por familiares. Luiz ficou exatamente 48 dias preso na carceragem da delegacia. (inf André Almenara)