Farmacêutico é morto por não vender remédio controlado a paciente

155

Anderson Rodrigo Anibal, 29 anos, proprietário da farmácia, foi morto com um tiro na cabeça, na tarde desta quarta feira (12), no jardim atlântico em Cianorte (82 km distante de Maringá).
O autor dos disparos, Marcelo Gimenes Natel, 29 anos, teria ido de manhã na farmácia  comprar um medicamento controlado sem a devida prescrição médica (receita), e cumprindo a legislação, o dono da farmácia disse que não poderia vender.
O rapaz teria saído da farmácia e retornou para casa em um sítio.
Mais tarde, devido problemas psicóticos, o rapaz se armou com uma espingarda, enrolou em um pano para não chamar a atenção e falou pra sua mãe que iria matar o farmacêutico.
A mãe tentou impedir que Marcelo cometesse o crime, mas devido ao surto em que se encontrava, ele atirou contra a cabeça da própria mãe, acertando-a na nuca, e em seguida foi até a farmácia, onde cometeu o crime atirando na cabeça do farmacêutico. Após o fato, o autor fugiu em uma motocicleta de cor vermelha.
A mãe do autor, Armelinda Gimenes Natel, foi socorrida pela equipe avançada do Samu, até o hospital Santa Casa de Cianorte com ferimentos graves e com risco de morte, onde foi internada na UTI.
A Polícia Militar isolou o local do homicídio até a chegada da Polícia Civil que realizou a perícia no local e liberou o corpo de Anderson, para o IML, encaminhando o mesmo até a cidade Campo Mourão para os exames de necrópsia.
O autor foi identificado e a polícia realiza buscas para tentar prender o mesmo ainda em flagrante.
A polícia pede a ajuda da comunidade pra tentar prender Marcelo que se encontra foragido e teria passado por São Tomé e pode estar nesta região. Ele está vestido com uma jaqueta de couro preta, calça jeans, capacete vermelho aberto e no momento do crime, estava transportando a arma utilizada enrolada em um pano branco, numa mochila de cor preta na frente do corpo e usava uma motocicleta CG 125 Titan de cor vermelha PLACA AGP- 6197 de Cianorte. (inf Noticia.com)

Atualizado
Dona Armelinda não resistiu e faleceu na tarde desta sexta-feira (14). O marido resolveu fazer a doação dos órgãos.