Dívida da trimestralidade criada pela administração Barros/Taguchi será paga pela gestão Ulisses/Scabora

(foto Valter Baptistoni)

Finalmente chegou ao fim um importante capítulo da história de Maringá.
Em assembleia promovida pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Maringá na manhã deste sábado (07), no plenário da Câmara de Vereadores, com os servidores que têm direito na ação da trimestralidade.
Como se recorda, foi um benefício negado (gatilho) na gestão Ricardo Barros, no início dos anos 90, que tornou-se uma herança triste, envolvendo 3.500 servidores, infelizmente alguns beneficiários morreram aguardando receber os valores.
A proposta feita pela administração Ulisses Maia foi aceita por unanimidade: o valor com o abatimento de 20% – cerca de R$ 61 milhões – será pago ao longo de sete anos, em sete parcelas, com vencimento em setembro.