Campanha de ataques já começou

Tem gente muito preocupada com as eleições do ano que vem, em Maringá, e, ao que parece, “coisas” começam a acontecer. Seriam os primeiros movimentos no xadrez político?
Como a presença do ex-secretário municipal Antonio Carlos Nardi, em evento relacionado à doação de órgãos nesta manhã na Expoingá. Nardi, que foi secretário-executivo do Ministério da Saúde na gestão Ricardo Barros, estava lá na condição de representante do Hospital Santa Rita, aquele que teria sido adquirido pelo ex-ministro no ano passado. Nardi é apontado como um dos pré-candidatos a prefeito pelo PP.
No evento, em que foram apresentados os ônibus elétricos da TCCC, a jovem Gabriela Bianchi pediu a palavra e disse que, quando estagiou no Hospital Municipal, havia falta de comida para os pacientes, comida básica, como feijão. Foi ela começar a falar e Antonio Bento Cuenca Moya, ex-presidente da Feabam e secretário parlamentar do deputado federal Ricardo Barros (PP), começou a gravar a intervenção.
A sensação de que tinha alguma coisa errada veio quando a jovem foi questionada se fez denúncia, à época dos fatos, ao Ministério Público. Ela disse que não. O vice-prefeito Edson Scabora e o secretário de Saúde, Jair Biatto, disseram desconhecer qualquer tipo de reclamação a respeito.
É possível que o ocorrido tenha mesmo fundo alheio, talvez eleitoral. É que Gariela Bianchi, ao final de seu estágio no Hospital Municipal, redigiu em conjunto com Ana Carolina Moço e Ana Caroline Reis, o trabalho intitulado “Sobra de alimentos dos pacientes do HMM”, recheado de fotos do variado cardápio do hospital, como se vê abaixo. O material é justamente sobre a sobra de alimentos, não a falta deles.
A Prefeitura de Maringá deverá pedir provas à denunciante, a quem poderá acionar judicialmente se não comprovar a acusação feita em evento público. (inf Angelo Rigon)